Mostrando postagens com marcador trabalho. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador trabalho. Mostrar todas as postagens

Livros: infoproletariado, ciberproletariado

“Este livro, que chega em boa hora, reunindo resultados de recentes pesquisas realizadas em vários países e, no caso do Brasil, em diferentes regiões do país, nos traz um conjunto de reflexões sobre uma das formas de trabalho que mais vem se desenvolvendo nos dias atuais, qual seja, o trabalho de profissionais de TI. […] o trabalho informacional traz consigo a emergência de novas formas de trabalhar, novas maneiras de conceber o trabalho e sua administração, novas configurações da organização empresarial, novos valores profissionais, novas maneiras de se justificar a exploração do trabalho e de se obter o consentimento dos trabalhadores e trabalhadoras.” - Márcia de Paula Leite.

A Formação do Cibertariado: Trabalho Virtual em um Mundo Real
"Este é um dos mais instigantes estudos recentes de sociologia do trabalho. Ursula Huws, uma das mais criativas e originais pesquisadoras da área, procura compreender como vem se configurando a classe trabalhadora, em sua nova morfologia, especialmente nas atividades de serviços, nas quais ganharam enorme destaque as tecnologias de informação e comunicação (TIC). A autora foi pioneira em procurar entender esse novo proletariado de serviços que, se, por um lado, se caracteriza por uma grande heterogeneidade em suas atividades, por outro, se configura como expressão de uma crescente homogeneização, dada pela precarização desse polo do trabalho que se expande em escala global. Articulando dimensões cruciais como classe, gênero, trabalho digital, trabalho doméstico, criação do valor, precarização, etc., seu livro é um marco no estudo do cibertariado." - Ricardo Antunes

Neste livro, Arun Sundararajan reflete sobre como a economia compartilhada altera o crescimento econômico e afeta o futuro do trabalho, perguntando-se se viveremos em um mundo de empreendedores empoderados ou se seremos trabalhadores digitais desamparados, correndo de uma plataforma a outra em busca do próximo bico. Na esperança de que o futuro penda para o lado mais positivo dessa questão, o autor destaca a importância de escolhas políticas acertadas e sugere possíveis direções para a autorregulamentação, as leis trabalhistas e as redes de seguridade social. Com texto de apresentação de Ladislau Dowbor, economista e professor titular de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, esta publicação do Senac São Paulo visa contribuir para o debate sobre as relações econômicas, sociais e trabalhistas, surgindo como uma obra de referência para a compreensão das novas dinâmicas que emergem da criação de redes baseadas nas novas tecnologias digitais.

"Em uma pesquisa, 61% dos funcionários afirmaram que o estresse no trabalho os deixou doentes, e 7% disseram ter sido hospitalizados. O estresse ocupacional custa aos empregadores norte-americanos mais de US$300 bilhões anuais e pode causar 120 mil mortes excedentes a cada ano. Na China, em torno de 1 milhão de pessoas morrem no mesmo período devido ao excesso de trabalho. Literalmente morrendo por um salário."...


🔵 Canal no Telegram

Compartilhar

Os sites gratuitos mais relevantes para encontrar emprego em 2021

Há 10, 20 anos, o melhor site do Brasil para encontrar trabalho era o APinfo (é um site especializado em vagas de informática, mas abordaremos outros mais abrangentes neste texto também; se você não é da área de TI, sinta-se a vontade para pular 2 parágrafos). Bastava colocar o currículo no "site do Fernando" e esperar durante a semana e-mails com ofertas de trabalho. Isso mesmo!: Sequer era essencial estar enviando o currículo para vagas. Bastava cadastrá-lo e aguardar passivamente o contato das empresas. De lá para cá, aparentemente, tudo mudou; e para pior. E a pandemia de Covid-19 ao que tudo indica só pronunciou um processo de estagnação que se iniciou muitos anos atrás. Ou é só impressão minha? Ou foram minhas habilidades que pararam no tempo e já não despertam tanto interesse? Ou minha idade (acima dos 40) afasta (um pouco) alguns recrutadores? Por favor, faça uso da área de comentários se você tem uma percepção diferente do mercado de trabalho. E veja também: Livros: infoproletariado, ciberproletariado.
Para a área de TI, o APinfo continua algo relevante, e recomendo que você inclua seu currículo em sua base e atualize-o, se possível, a cada algumas semanas. Porém, o estilo de busca em que você não envia ativamente seus dados para vagas específicas, a menos que você já esteja empregado e/ou por qualquer razão tenha muito tempo para esperar, será muito pouco efetivo atualmente. Desse jeito, é possível que cadastre seu currículo e se passem semanas ou meses sem um único contato de algum RH. Então, se você tem pressa, faça buscas nas vagas de sua área diligentemente, e vá enviando seus CVs. Observe que a interface do APinfo mudou pouco em décadas, tem poucas funções cosméticas, mas a funcionalidade que mais importa, continua lá. Ao visitar o site, talvez te interessem também a famosa planilha CLT x PJ (Pessoa Jurídica), a Pesquisa salarial (compare a média salarial com esta outra fonte, provavelmente mais atualizada; e se você está cogitando trabalhar em uma empresa específica, dá uma bisbilhotada nos salários aqui) e o Fórum, onde profissionais da área têm espaço para dar suas opiniões sobre assuntos como os mostrados na captura seguinte.

Se o negócio é fazer networking, as redes sociais profissionais são boas ferramentas. As mais importantes atualmente são LinkedIn (lembre-se de checar a configuração que estabelece se a plataforma deve ou não mostrar seu interesse em novas oportunidades para os recrutadores), que recebe globalmente mais de 1 bilhão de visitantes mensais (sendo mais ou menos 4 milhões e seiscentas mil visitas de usuários brasileiros) e Xing, com visitas mensais globais (a maior parte da Europa, sobretudo Alemanha) da ordem de 21 milhões.

Logo há o Vagas.com. E também o Infojobs (que, se não me engano, começou como um site voltado para vagas para a área de informática, mas atualmente disponibiliza oportunidades para todos). A audiência do Infojobs é 100 vezes maior do que, por exemplo, a do APinfo, então não tem como não recomendar que cadastre seu currículo lá também. Observe que o Infojobs tem uma "Conta Premium", paga, além da básica, grátis, que teria como uma das vantagens destacar seu currículo na lista de candidatos. Desconfio, mas apenas desconfio, que não valha a pena. Já experimentei a versão premium do LinkedIn, que considero bem salgada  (R$ 50 por mês) frente às "vantagens" que oferece. Se eu tenho dúvidas se a "Conta Premium" do Infojobs (com anuidade no valor aproximado de 263 reais) merece ser considerada, na minha experiência, tenho certeza que a do LinkedIn não valeu a pena nos dois meses que a usei. 

Considero prioritário marcar presença em pelo menos esses 4 sites (APinfo - para profissionais de tecnologia -, Vagas, Infojobs, e LinkedIn) para uma chance minimamente efetiva. Em alguns outros, que não vou citar neste texto, é, de fato, perda de tempo cadastrar seu currículo, não só pelo tempo gasto no registro, mas ao ter que lidar com muitos e-mails que frequentemente estão mais para spam do que para oportunidades em si. Mas se quiser, por favor, indique nos comentários alguma web que você considere uma "injustiça" não ter sido mencionada por ser tão relevante quanto essas recomendadas acima.

Para terminar, estes dois últimos não são sites para cadastrar currículo, mas indexam e apresentam as vagas de outros sites e mesmo oportunidades diretas nas webs das empresas contratantes, o que pode facilitar bastante a busca: O Indeed e o Google. Para usar o Google, simplesmente entre na página do buscador e digite sua pesquisa no padrão "emprego cargo cidade", e você deverá ver uma área junto aos resultados gerais da busca, referente às vagas encontradas, onde poderá utilizar diversos filtros e facilmente criar alertas para as suas pesquisas, como ilustrado na imagem abaixo. Observe que no navegador de seu dispositivo móvel essa funcionalidade pode não ser apresentada. Se isso acontecer, tente usar este link.

Boa sorte!



🔵 Canal no Telegram

Compartilhar

Duas plataformas para ganhar dinheiro trabalhando de casa

É possível fazer trabalho remoto sem tanto esforço para encontrar clientes. O preço disso é que você terá que deixar para as plataformas uma fração dos seus vencimentos (da ordem de 20%) pelo serviço que elas prestam: basicamente, dar publicidade às suas habilidades para milhares de potenciais contratantes. Ambas as plataformas sugeridas neste texto não cobram por cadastro ou qualquer mensalidade, apenas uma porcentagem dos trabalhos conseguidos através delas. Existem diferentes experiências de uso, mas de mais de uma dezena de plataformas para trabalhadores freelance que testei, essas duas são das menos burocráticas, pagam certinho (eu já prestei serviços através de ambas) e oferecem opções convenientes e bem estabelecidas de pagamentos, como Paypal.
É necessário um pouco de inglês para cadastrar seus "gigs" e também para se comunicar com os clientes. Mas como toda comunicação é basicamente feita por mensagens de textos, se seu inglês não está afiado, você pode tranquilamente recorrer a um tradutor online.

O termo 'gig' vem do jargão musical e refere-se a pequenas performances de grupos musicais. Aplicado ao mundo do trabalho, o conceito refere-se a trabalhos esporádicos que têm uma curta duração e nos quais o empregado é responsável por uma tarefa específica dentro de um projeto. -- ¿Que és la 'gig economy'?


Quais são suas habilidades?

Há diversas possibilidades dentro das plataformas. Vou listar algumas das coisas que você poderá fazer: 
  • Gráfica e desenho: criação de logotipos, criação de cartões de visitas, design de videojogos, ilustrações, desenho de tatuagens, caricaturas, edições com Gimp/Photoshop, desenho de currículos, design de livros , desenho de páginas web, desenho de interiores, paisagismo, desenho industrial e de produtos, desenho de flyers e folhetos etc.
  • Redação e tradução: redação de artigos e publicações para blogs, redação de currículos, correção e edição, texto para redes sociais, redação jurídica, redação de discursos, escrita criativas, traduções entre os mais diversos pares de idiomas etc.
  • Vídeo e animação: edição de vídeo, gifs animados, animação de personagens, produção de vídeo de e-learning, legendas, fotografia de produtos, efeitos visuais etc.
  • Música e áudio: mixagem e masterização, narração, cursos de música online, edição de podcast, composição musical, transcrição de música, criação de jingles etc.
  • Programação e tecnologia: Wordpress, criação de websites, desenvolvimento de jogos, aplicativos móveis, aulas online de programação, proteção de dados, suporte, conversão de arquivos etc.
  • Negócios:  Assistente virtual, gestão de comércio eletrônico, entrada de dados, estudos de mercado, gestão de projetos, consultoria jurídica, consultoria financeira, orientação profissional etc.
  • Estilo de vida: aulas de fitness, assessoramento para casais, astrologia, imitações de celebridades, modelos fotográficos etc.



Fiverr (Possui também apps para Android e iOS)
Os serviços na Fiverr, chamados de gigs, começam em 5 dólares. Por exemplo, alguém poderia cobrar 5 dólares para traduzir 300 palavras e por conseguinte, 900 palavras sairiam por US$ 15. É apenas uma ilustração de como funciona: cada vendedor define o preço do seu trabalho, sendo que um tradutor com formação superior e certificados pode idealmente cobrar mais. Cada trabalho realizado no site recebe uma pontuação de 1 a 5 estrelas por parte do cliente, de modo que uma boa reputação costuma ajudar tanto a contratantes, a escolher os provedores de serviços, quanto a trabalhadores, que ganham mais exposição e maiores chances de ser recontratados.

Fivesquid (Web, com notificações por email)
De conceito idêntico ao Fivver, mas sendo uma plataforma britânica os preços estão em libras (que valem mais do que dólares). Não tem tantos contratantes quanto a Fivver, porém, o fato de ter também menos trabalhadores cadastrados, dá uma equilibrada no cenário.


Vou deixar ligação aí embaixo para outras plataformas bem conhecidas de freelancers que, não obstante, não posso pessoalmente recomendar por não ter tido uma experiência tão fluída com elas:


🔵 Canal no Telegram

Compartilhar